Mostrando postagens com marcador motivação. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador motivação. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 17 de junho de 2021

DICA DO DIA – Como começar a escrever e o que fazer em seguida.

Olá, como vão todos? Hoje, a pedido de um leitor, tentaremos dar algumas dicas de como começar ou recomeçar a escrever e o que fazer em seguida.

terça-feira, 1 de junho de 2021

DICA DO DIA – Como se motivar, parte II

Sejam todos bem-vindos a mais um post, e a pedido de um leitor no tumblr investigaremos possíveis motivos e sugestões para se lidar com a falta de motivação criativa. E ao contrário do que eu costumo fazer, darei uma ênfase mais pessoal a esse texto, pois eu mesma há alguns meses atrás me encontrava na mesma situação.

Seja gentil com você mesmo

A primeira coisa a se dizer é, não se torture se não der certo logo de cara. Cada um tem seu próprio tempo, velocidade, estilo, organização, facilidades e dificuldades de escrita. Se perdoe e se permita relaxar, principalmente quando você é o primeiro a se criticar.

Escrever é difícil

Os primeiros dez anos vão ser repletos de textos ruins, e isso é um fato. Esse é o momento que estamos aprendendo a estruturar o texto e o que significa construir um enredo, é quando estamos desenvolvendo nosso estilo, gosto literário e público alvo. Pergunte para qualquer escritor que teve um mínimo de sucesso. É preciso um certo tempo hábil até que uma habilidade seja moldada, e a escrita não é diferente.

Se lembre de escrever

Parece uma coisa óbvia, mas não é. É muito bom buscar inspirações, ficar dias pesquisando cada detalhe e aprendendo mais sobre escrita, entretanto se você não sentar e escrever, a história não vai vir magicamente a você. Pode ser uma caneta no papel ou digitando na frente do computador, o importante é colocar as palavras no papel.

Se divirta

Se você perdeu a motivação, chegou o momento de analisar o motivo. Afinal das contas, porque você começou a escrever? Você se lembra o que te fez pegar na caneta e passar anos criando histórias? É porque se tornou uma obrigação? Você se arrepende de ter explorado aquele tema? É hora de parar tudo, respirar fundo e voltar a escrever sobre o que você gosta. Não precisa ser nada elaborado, você apenas precisa colocar as palavras na página que seu trabalho estará feito. E se lembre, se divirta!

Fator Psicológico

Foi provado que o bloqueio criativo é nada mais que suas emoções entrando na frente da escrita. Nossos pensamentos, humor e estado emocional sempre serão o mais importante. Então, respire fundo e se deixe não escrever por aquele dia, só por aquele, até que seu criticismo voe pela janela e te permita escrever novamente.

É importante lembrar que alguns fatores estão além do seu controle, como ansiedade, depressão, falta de motivação pessoal e até o ambiente que você está inserido pode afetar sua criatividade.

Algumas questões que podem ser interessantes analisar:

  • Qual o seu estado emocional no momento em que você senta para escrever textos?

  • Seu bloqueio é falta de criatividade ou é algo mais pessoal, relacionado a direção que a história está tomando?

  • Onde sua mente está? Você se preocupa com os problemas da vida cotidiana enquanto escreve?

  • Você alimenta pensamentos negativos, acreditando que escrever é uma tarefa difícil e parece que sempre que você senta para escrever nada acontece?

Sim, além do estado emocional que você se encontra durante ou antes de escrever textos, outras razões podem estar colaborando para a falta de ideias:

Medo

Sim, o que pode estar te impedindo de escrever pode ser o puro medo. O medo da rejeição, de se expor ao mundo e estar na mira do julgamento social. Eu entendo, eu realmente entendo, é ameaçadora a ideia de não ser aceito. E você pensa: Será que vai dar certo? Será que meu público vai gostar? Será que as pessoas vão ler, comentar, compartilhar? Aqui não há uma solução certa, precisamos ter coragem e nos expor ao mundo, senão, quem vai falar por você? Quem vai contar a história que está prontinha para vir ao mundo?

Perfeccionismo

O perfeccionismo ou autocrítica exagerada é o meu pior pesadelo, pois não há ninguém que exija tanto quanto eu de mim mesma. É sempre a mesma história, quando eu termino um texto ele está maravilhoso, tão fluido e bom de ler que eu me sinto apaixonar, porém, no dia seguinte… nem tanto, certo? Onde eu estava com a cabeça? Isso está péssimo. Joga fora e escreve de novo, edita, edita e edita.

A verdade é que todo texto precisará de uma reescrita leve ou edição, é comum, é quando o texto toma forma, mas quando você joga o texto fora sem dar qualquer chance ao coitado você nunca irá para a frente. Então, nesses momentos, eu guardo ele, fecho a aba e deixo que ele descansar por no mínimo uma semana. Depois, eu volto e analiso qual o objetivo daquela cena, se o diálogo faz sentido, se os personagens agem com verossimilhança e se está fluindo o suficiente. O importante aqui é ler com os olhos pregados na estrutura, se perguntando o que tal cena precisa para ficar perfeita. E se eu puder, leio uma última vez, com os olhos de um leitor que apenas pretende se divertir. Muitas vezes tudo o que precisamos fazer é compartilhar com o mundo que tudo terminará bem.

Procrastinação

Afinal, ela é mocinha ou vilã? Pra mim, a resposta é fácil, nenhum dos dois. A procrastinação pode ser um dia cansativo no trabalho que te impede de escrever, ela pode ser um artigo interessante que pode te dar criatividade para voltar a escrever ou pode ser a depressão, a vontade de chorar ou de nunca mais sair de casa. Então, sim, ela é útil, assim como escutar uma música para inspiração ou ler um novo livro quando você sabia que deveria estar escrevendo. Entretanto, a procrastinação não é desculpa para não escrever quando você sabe que tem a opção e estado mental positivo. Seja gentil, mas não se auto sabote, porque, no fundo, todos nós sabemos a diferença entre as duas.

O que fazer?

Experimente uma atividade diferente

Quando me sinto presa em certa parte da minha história, gosto de me focar em algo diferente do que estou fazendo, o que geralmente envolve algum livro sobre teoria de escrita, um filme, musica que eu não tinha ouvido antes ou até escrever algo totalmente diferente. Use o momento de bloqueio criativo para aprender, se for possível. Dormir também ajuda muito, afinal, como podemos nos focar quando estamos tão cansados que se concentrar em qualquer coisa por mais cinco minutos é uma tortura?

Encontre seu horário

Alguns dizem que cada pessoa é mais criativa em certa parte do dia. Eu não concordo. Nós, reles mortais, raramente sobrevivemos apenas da escrita, então, eu me programo e no tempo vago tento escrever algo. Entretanto, se olharmos por essa visão, de fato, eu me acostumei a escrever em certos horários e dias da semana. Porém, para mim, não é o horário em que você é mais criativo e sim é um horário que se você se auto treinou para escrever. Prática levará a perfeição.

Escreva em momentos calmos

Sabe aquele dia que você acorda e está cheio de energia e calmo? Esse é o momento perfeito para escrever. Abro meu documento, coloco uma música de fundo e vejo meu planejamento. Sempre dá certo, e se não der, escrevo outra coisa, porque escrever mesmo que não vá para seu enredo, ainda sim é escrita, é prática e é evolução. Se lembre de escrever quando tiver bastante energia e descansado.

Não seja multitarefa

Nós não fomos feitos para fazer duas coisas ao mesmo tempo, e como um computador, nossa produtividade cairá se tentarmos tal feito. Assim, o ideal é se livrar das distrações e fazer uma coisa de cada vez. Não há segredos quanto a isso.

Faça um pré-planejamento

Eu gosto muito de planejar meu enredo o mais detalhadamente possível antes de começar a escrita de fato, através de tópicos ou usando mapas mentais. Assim, quando eu for desenvolver minha história tudo o que precisarei fazer é seguir meu script, porque, em muitos casos, o bloqueio criativo é causado pela falta de planejamento ou do que escrever em seguida.

Separe um tempo para todas as atividades que consumam seu tempo e que possam fincar no caminho do seu momento de escrita e divida esse tempo para cada tipo de escrita: Criação, Planejamento, Reescrita, Revisão, Pesquisa e tudo mais o que aparecer pelo caminho, como planejamento de cenas e capítulo, fichas de personagem, lugares que serão usados na história, personagens que serão usados no capítulo e qualquer outra coisa que te faça parar no meio do caminho de escrever (a menos que você queira, é claro^^). Eu gosto de deixar tudo bem organizado para não ter que ficar parando no meio do caminho e economizar meu tempo. Teve uma vez que não previ que teria que pesquisar sobre o tribunal de justiça para a minha história ‘Depois da dor’ e acabei gastando um dia inteiro para achar as informações que eu precisava. Eu nem sabia que o judiciário brasileiro e o americano tinham tantas diferenças e no fim acabei misturando um pouco das duas, o que saiu um belo show de TV.

Não acredite nas mentiras que contaram para você

Não existe mágica, habilidade herdada ou dom, e nem todas as dicas pela internet são para você. Então, pegue o que serve para você e jogue o resto fora. Outra mentira é quando dizem que eu escrevo bem ou tenho talento. Eu, pessoalmente, não considero um elogio quando alguém me diz que eu tenho o “dom da escrita” porque sempre me dá a sensação de que é algo que vem sem esforço. E não foi assim, depois de dez anos no mundo da escrita, eu sei disso muito bem, mas até antes disso, foram anos estudando gramática e interpretação de texto para chegar até aqui. Escrita não é nada mais que treino, prática e teoria, como qualquer coisa do campo do saber.

Escreva com consciência

É interessante que antes de escrevermos, façamos algumas decisões. Que tipo de público você quer atingir? Qual o tipo de conteúdo? Quais cenas serão escritas, o que você quer passar com aquele tipo de texto? As vezes, estou mais centrada no aspecto fluff da coisa, sabe? Outras, quero chocar as pessoas, escrever algo quase imoral, mas que serve para discutir algum tema mais pesado, sem ser óbvia demais. Então, além da cena fazer sentindo para o enredo, gosto de ter subtemas na história. As vezes é sobre pessoas que tem poder e não sabem o que fazer com ele, outras, é sobre afeto e o que as pessoas fariam pelo amor. Com tanto que a escrita me interesse, tenho certeza que interessará para outras pessoas também.

Busque apoio

Algo que eu descobrir ser essencial é encontrar uma comunidade de escritor e leitores que te apoie. Sempre tenho alguém de confiança para discutir ideias e betar meus textos. É interessante também que você leia o trabalho de outras pessoas e ofereça o seu apoio de volta, assim você aprenderá mais sobre seu nicho e começará a construir um público alvo que te acompanhará até o fim.

Não edite ou revise enquanto estiver escrevendo

Essa tema para mim é bem complexo. Eu não sou capaz de continuar minha escrita sem editar até que o texto fique aceitável, é impossível para mim. Eu preciso editar e ponto. O motivo dos especialistas recomendarem que não se edite é que quebra a criatividade do texto, mas na real, o motivo é que se você escrever tudo de uma vez e só depois voltar para editar é que se escreve mais rápido, pelo menos a primeira versão. Porém na minha experiência, eu sempre acabava gostando o triplo do tempo para revisar tudo depois. Então, agora, eu prefiro escrever cada cena e capítulo com atenção máxima, já tendo em mente o que eu quero colocar na cena e ir escrevendo devagar, palavra por palavra, as encaixando perfeitamente. Descobri que assim eu gasto muito menos tempo com revisões. Entretanto, não se esqueça, todo texto deve ter um mínimo de revisão.

Defina um prazo

Infelizmente, eu funciono a base de prazos. Eles são o que me motivam a escrever periodicamente. Não tem jeito, já tentei escrever a história toda e depois ir postando, já tentei ficar longe do fandom e escrever quando eu tivesse disposição e nada funcionou, apenas a pressão e o medo de não cumprir os prazos me impulsionam, possivelmente porque eu odeio decepcionar meus leitores. O mínimo que eu posso fazer é cumprir o que eu prometi.

Metas possíveis de alcançar

Mantenha isso em mente. Se você não tem costume de escrever, comece com metas possível para você. Que tal cem palavras por dia? Isso levaria menos de quinze minutos. Na próxima semana aumente para duzentas até chegar na meta de que você gostaria de alcançar. Dizem que para algo se tornar rotina é necessário que se pratique certa atividade por sessenta dias consecutivos. Talvez essa seja a solução, tornar sua escrita  parte da sua rotina com metas possíveis de se alcançar.

Identifique suas limitações

Quando o problema não é estado mental ou rotina, temos que ser sinceros e aceitar que somos limitados. Esse é o momento em que eu aconselho estudar, quanto mais autodidata, melhor. Precisamos analisar e entender qual o problema da sua escrita. Então, vá de mente aberta e julgue o texto racionalmente, ou peça para um amigo experiente fazer para você.

O que falta para seu texto chegar no nível que você deseja?

O primeiro aspecto que eu julgo é gramática e fluidez. Sabe quando você está lendo e parece que a leitura fica empacando? Você tem que voltar a ler repetidamente para entender o que está acontecendo? Às vezes, o problema nem é que o texto não faz sentido e sim que ele não está escrito de forma correta. E não, escrever fora da norma não é considerado estilo e sim falta de consideração.

Em seguida, analiso a construção das frases. Existem certas estruturas que vêm seguidas de certas regras e se você vai as quebrando de qualquer jeito, creio que isso também não é considerado estilo. Sim, você vai se sentir voltando a escola, mas é necessário. Leia sobre estrutura de parágrafos, sobre orações subordinadas, objeto, palavras passivas e ativas e tudo o que se referir a estrutura gramatical. Sei que pode não parecer divertido, entretanto esse é o seu instrumento de trabalho. É como um cantor ir para o espetáculo sem aquecer a voz e um pedreiro tentar quebrar a parede com um garfo.

Depois, chegamos a cena. Precisamos analisar se a cena faz sentido, se os diálogos ajudam a desenvolver personagens ou enredo, ou se ele está ali para aumentar sua contagem de palavras. Eu penso assim, se eu tirasse essa cena daqui, ela faria falta? E esse personagem? E o diálogo? Se apenas as ações dos personagens falam o suficiente esse diálogo pode ser excluído.

A partir daqui expando a análise, verificando o arco de cada personagem, a importância dele e como ele reage aos acontecimentos e com qual personagens ele deve contracenar. Isto é, antes tenho que ter um planejamento da história detalhado, senão, custo informar, será muito difícil analisar qualquer coisa. Porque acima de tudo, uma história é composta por continuidade de cenas, que se convertem em ações e reações sofridas ou executada por personagens, personagens esses que nunca estão inseridos sozinhos em um contexto.

A última parte antes da reescrita geral é analisar a estrutura da narração como um todo, verificar se as descrições são suficientes para se ter uma ideia da ambientação, se a época está inserida no contexto da história, se os personagem são fiéis ao o que eu decidi no começo da escrita e se existe um começo instigante, um desenvolvimento de enredo e de personagem e se tem um clímax, encerrando a história sem fios soltos.

E se ainda eu não encontrar o problema?

Talvez falte referências, experiência de mundo e de leitura. Aqui não tem jeito, ou você passa algum tempo consumindo a literatura que você quer produzir ou você arranja uma parceria, um coautor, alguém que vai te ajudar nessa hora de necessidade. Sendo um beta ou outro escritor, saiba aceitar ajuda e críticas, pois as críticas nunca são algo pessoal e sim algo externo, apenas opiniões diferentes da suas e, às vezes, são essa ideias diferentes que podem ser o que você precisa para dar um passo a mais na sua jornada; se construtivas, seja grato e procure melhorar; se não, ignore-as, todos têm direito à opinião.

E se ainda…?

Nunca pare de aprender, pois cada história escrita, cada pessoa que encontramos pelo caminho e cada livro lido, nos ensina algo. Respire fundo e descubra o que te faz feliz, porque o caminho que eu decidi trilhar não vai ser igual ao seu. Há tantos destinos e opções que pensar que a jornada acabou só porque você pensa que dominou todas as técnicas e encontrou a própria voz é inocência, ou até pensar que você nunca vai encontrar a sua, também é. Eu mesma, nos últimos meses, me encontrei no mundo dos mangás, manhuas e comics, lugar que eu pensei que nunca colocaria os pés. Então, quando você se sentir confortável ou desmotivado demais, desafie-se: experimente um novo gênero, aceite um desafio, brinque com as estruturas literárias, deturpe as regras que tanto se esforçou para conhecer. Sempre há algo novo a aprender, explorar e experimentar. E não se esqueça, sempre se divirta.

Bem, espero que esse texto seja útil para vocês. Tentei escrever sobre coisas que eu gostaria de ter aprendido antes. A verdade é que eu poderia ter escrito muito mais, porem, preferi deixar mais curto e conciso.

Até a próxima.

segunda-feira, 17 de maio de 2021

DICA DO DIA - Como se motivar a escrever


Bom dia a todos! Hoje decidi fazer algo diferente, um amigo no Facebook me pediu dicas de como motivar as pessoas a escrever. Não sei se era o que ele queria dizer e mesmo que eu saiba que há vários posts como esse pelos cantos da web, tentei sair do comum e trazer aspectos da escrita e do escrever que eu acho importante.