quarta-feira, 2 de junho de 2021

Estrutura dos Três atos #COMO ESCREVER SUA HISTÓRIA

 

Olá, como vão todos? Hoje trago a estrutura dos três atos completa, parte do nosso curso "COMO ESCREVER SUA HISTÓRIA". Tentei simplificá-la o máximo para uma melhor compreensão. Hoje veremos com mais detalhes como isso acontece.

Aqui, diferente do foi explicado anteriormente, teremos os três atos, e entre eles, dois pontos de virada.

Consiste basicamente na criação de três conflitos/acontecimentos/desastres, dividindo a história em início, meio e fim, com pontos de tensão bem distribuídos entre eles. É uma famosa técnica criada pelo roteirista norte americano, Syd Field, desenvolvida em seu livro "Manual do Roteiro" e inspirada pelos textos aristotélicos. Sim, a técnica foca-se em roteiro, entretanto a base de um bom livro sempre será o que planejamos antes de escrever. E para facilitar, tentarei manter tudo o mais simples possível. 

Sendo assim, temos:

  • Ato I – Exposição/Apresentação: Introdução ao mundo e personagens, primeiros acidentes/incidentes e iniciações, Ponto de virada I

  • Ato II – Confronto: Ação Ascendente, Ponto Médio, Ponto de virada II

  • Ato III – Resolução: Pré-clímax, Clímax, Desfecho

Ato 1 - Apresentação

  • Apresentar os personagens: os leitores têm que se familiarizar com os eles;

  • Mostrar a Premissa: promessa narrativa e objetivos da missão ou do personagem;

  • Ambientação: mostrar o que acontece em volta do personagem antes da ação começar, estabelecendo o relacionamento entre o personagem principal e os demais personagens;

  • Ponto de Virada I

Na prática

É de onde a história começa, Personagem principal, exposição de ambientação e dos personagens que rodeiam nosso protagonista. Ocupa geralmente o primeiro quarto do enredo. É usado para apresentar os personagens, onde vivem, ambientação inicial e termina com o primeiro acontecimento interessante. 

Lembra de quando eu falei sobre um acontecimento que tira o personagem da rotina dele e o faz/força ir em busca de algo? Esse é o fim do primeiro ato, é quando o primeiro ponto de virada acontece.

Afinal, o que significa ponto de virada?

É, literalmente, algo que faz o personagem parar tudo, largando sua rotina e sair de sua zona de conforto. Em Harry Potter, é Harry descobrindo que ele é um bruxo; Em Percy Jackson, é ser atacado por um monstro. Esses são momentos/acontecimentos que forçam nossos protagonistas a entrar em ação. O importante é que seja eles quem pratiquem a ação, mesmo que obrigados. 

Alguns questionamentos que podem nos ajudar a criar o primeiro ponto de virada:

  • Quais são as falhas e nescidades do personagem? Quais são suas insatisfações? Posso explorá-las para guiar meu protagonista durante o primeiro ponto de virada?

  • O que o personagem precisaria para encontrar a motivação necessária? Seria realizar seus desejos ou ir em busca de algo que necessita? Seria por ser obrigado a buscar algo para outra pessoa?

  • O que faria seu personagem enfrentar seus medos e tomar uma ação?

  • O quão grave o incidente o afetará para que tome essa decisão? O que o faria sair da zona de conforto e o que nível de perigo teria que ser?

Na jornada do Herói, seria quando o “chamado para a aventura” acontece, trazendo reflexões que levarão o personagem a questionar sobre sua jornada até ali.

Adendo:

Existe algo que precisa ser dito. Nada deve ser completamente fixo. O que é obrigatório é apresentar o protagonista, ambientação — porque afinal nenhum personagem está em lugar nenhum — e o primeiro ponto de virada. Assim, o primeiro ato pode ter um quarto do seu livro ou ser uma cena, ou um capítulo. Tudo vai depender do que você tem preparado.

Ato 2 - Confrontação e Meio do enredo

É dividido em duas partes:

Confronto:

  • Tomada de decisão após o primeiro ponto de virada;

  • Personagem sai em jornada ou vai em busca do que ele precisa;

  • Primeiros conflitos: Obstáculos aparecem um atrás do outro, o impedem de alcançar seu objetivo ou necessidade;

Meio do enredo:

  • Ponto de Virada 2.

Na prática

É quando o personagem aceita a missão/objetivo ou vai em direção de seu desejo, ou necessidade. Algumas vezes ele terá que colocar seus medos de lado e tomar decisões, até hesitando antes de aceitar o desafio; em outras ele embarcará na aventura porque será algo que ele deseja profundamente. 

Assim que o protagonista embarca na aventura, passaremos ao Ato II desenvolvendo o que foi prometido no Ato I, ocupando a maior parte da história. Aqui é onde o protagonista:

  • Ganhará aliados;

  • Enfrentará antagonistas;

  • Enfrentará conflitos crescentes até atingir um ponto de crise;

  • Passará por transformações;

  • Enredos secundários;

  • Evolução dos relacionamentos.

Já no começo, o conflito aparece na forma da vivência desse novo ambiente, na experimentação dos novos lugares e dos perigos que logo aparecerão, se familiarizando com estes e permitindo que o leitor tenha maior imersão em todos aqueles que fazem parte da história, principalmente enquanto nosso protagonista desbrava o caminho e começa a se adaptar para ter melhores chances de vencer, nos mostrando, seu crescimento pouca a pouco.

Em meio ao crescimento do enredo, bem no meio do caminho, nosso protagonista passará por sua maior provação/desafio, chegando, assim, na segunda parte do Ato II, o meio do enredo, onde encontramos dois pontos de virada. Será algo importante, algo que pode ser uma perda, sofrimento intenso ou sensação de total derrota. Esse é o momento de trazer as consequências do que aconteceu até agora, mostrando as emoção e efeito que cada personagem pode ter, sem nunca esquecer o mundo e ambientação como um todo. 

Também pode ser um confronto com seu antonista ou problema/conflito, um confronto difícil de vencer, porém, de falsa vitória. Aqui, apos o conflito, é hora de descansar e pensar sobre o que aconteceu até aquele momento. Se recolhendo e firmando suas alianças e relacionamentos. 

No último ponto de virada, nosso protagonista continua sua jornada. Ele conduzirá a história até o ponto alto do clímax e em direção a resolução final. Podendo ser a batalha final com o antagonista ou descobrindo que o desafio era maior do que eles previram, 

Ato 3 - Resolução

  • Clímax;

  • Desfecho;

  • Verificação da premissa.

Aqui é onde responderemos a grande questão da nossa história: seus personagens serão bem sucedidos ou não? O personagem receberá a recompensa e alcançará o destino de toda a jornada mostrada até ali? Precisamo ver qual será suas consequências, desfecho do enredo e se o protagonista conseguiu conquistar o que necessitava. Além disso, é nessa parte que demonstramos se os personagens aprenderam algo durante a caminhada, seu crescimento, amores e arrependimentos. É também onde verificamos se a promessa narrativa foi cumprida, se a história traz um final satisfatório que faça sentido e que responda às perguntas deixadas pelo enredo.

Assim, nosso terceiro ato se inicia com o protagonista e antagonista prontos para se enfrentarem, mostrando a força e determinação do protagonista contra seu principal obstaculo em direção a vitória, desconfiando se nosso herói será forte o bastante para enfrentar seu desafio. Entretanto, mesmo que o protagonista vença, o leitor precisa sentir a tensão e incertezas junto com nosso herói.

Nosso desfecho chega. É o fim da jornada, herói derrota vilão. O antonista é vencido ou superado, e o protagonista sai vitorioso. Deverá haver perdas e consequências, mas também poderá haver alegrias e comemorações. Cumprir promessas feitas durante a história é essencial, assim como buscar pontas soltar e amarrar bem as tramas e eventos com suas devidas conclusões.

Podem haver alguns tipos de finais:

  • Final Feliz: quando os personagens são bem sucedidos em seu objetivo.

  • Final Infeliz: os personagens falham no objetivo, mas aprendem/ganham algo (muito mais importante e valioso).

  • Final Agridoce: os personagens são bem sucedidos, mas algo ruim acontece. Ou a expectativa do personagem não é alcançada. 

Para finalizar:

O ponto mais importante do terceiro ato é sua premissa, é entregar a resposta para a promessa da história. Se certifique de responder a grande questão do romance, aquela pela qual os leitores ansiaram durante quase todo o livro. Precisa ser coerente, com os valores dos personagens e com as regras do mundo.

Vou deixar nas fontes abaixo todas as fontes que usei para fazer esse artigo e algumas mais que serve para aprofundar nosso conhecimento.

Não deixem de perguntar caso surjam dúvidas.

FONTE

http://www.escrevendoasas.com/2016/08/estrutura-de-enredo-os-tres-atos.html

https://www.helpingwritersbecomeauthors.com/secrets-story-structure-complete-series/

http://www.dicasdeescrita.com.br/ficcao/estrutura-de-tres-atos/#:~:text=Uma%20das%20formas%20de%20organizar,tensão%20bem%20distribuídos%20entre%20eles.

https://www.helpingwritersbecomeauthors.com/secrets-story-structure-complete-series/

https://thewritersroomblog.tumblr.com/post/634690320246980608/falando-sobre-a-estrutura-de-três-atos-parte-i

https://thewritersroomblog.tumblr.com/post/635143325048094720/falando-sobre-a-estrutura-de-três-atos-parte-ii

https://thewritersroomblog.tumblr.com/post/635863297245216768/falando-sobre-a-estrutura-de-três-atos-parte-iii

https://escritaselvagem.com.br/como-escrever-um-livro/estrutura-de-tres-atos/

http://www.escrevendoasas.com/2016/09/pontos-importantes-do-enredo-parte-1.html


0 Comments:

Postar um comentário